fundo parallax

60 bons motivos para ler ‘Monge Guerreiro’

03/04/2018

A maior aventura da história dos Cavaleiros Templários contada de forma inédita por um autor brasileiro. Conheça uma série de opiniões compiladas sobre o romance medieval de Romulo Felippe - obra que será relançada no Brasil pela Cavaleiro Negro e na Europa em 2018 pela Newton Compton Editori - com análises de críticos literários, jornalistas nacionais e estrangeiros, blogueiros, autores e leitores especializados:

“La épica y la historia cruzan sus caminos en Monje Guerreiro. La narrativa de Romulo Felippe te transporta automáticamente a la tensión de la batalla, a la frialdad de la estrategia y al fervor religioso que imperaba en la tierra media” (Emilio Graffgnano, jornalista argentino) *****

“Junto com o monge Bastian Neville vamos aos poucos tocando o fantástico e o sobrenatural nessa jornada incrível da primeira à última página em uma história épica e emocionante” (Elisabete Finco, Clube do Farol) *****

“Fui absorvida por uma batalha e conheci um vilão digno desse posto. Cada descrição de batalha e confronto armado é rica em detalhes e altamente imersiva. Como desejaria desfrutar de uma caneca de Cúmis na companhia de Setseg” (Ida Borchardt, escritora) *****

"Obra envolvente e criativa" (Pedro Bartholomeu, jornalista) *****

"O coração do leitor vai sangrar em cada golpe que Bastian Neville receber durante sua jornada heróica. Preparem-se para grandes emoções" (Ceres Postali Marcon, autora de "O Ascendente") *****

"Adorei o livro. Uma história envolvente. Sensacional" (Graziela Potenza, jornalista) *****


"Sin embargo, leer “Monge Guerreiro” ha sido una grata experiencia. No solo por la incorporación de hechos y lugares históricos, sino por la armoniosa mezcla de una historia bélica Fue por eso que entre Lima y mi último viaje a Turín pude terminar el libro y lo recomiendo definitivamente" (Roberto Argandoña, jornalista peruano) *****

"Forte. Bem construído. Poderoso. Essa é uma obra brasileira de uma qualidade grandiosa. É um livro que nos inspira" (Milene Farias, editora do Estante da Mi) *****

“He leido ‘Monge Guerreiro’ y sin lugar a dudas es una de las mejores historias contadas sobre la tematica de Las Cruzadas, Los Templarios. Es atrapante, por momentos sorprendente, con rigor histórico. Quien lo lee inmediatamente entra en ese mundo de Caballeros, de valores e ideales. Estoy ante una de las mejores obras literarias que he leido” (Mariano Vidal, jornalista argentino) *****

“Um livro mto bom. O ritmo é incessante. A cada nova página vc vai se prendendo dentro da trama e simplesmente não consegue parar de ler...” (Gleixer Wendrew, escritor) *****

“Apenas vislumbrem o quão bela é a edição desta obra” (Artur Moraes, editor-chefe do Acervo do Leitor / Reino dos Livros) *****

“Nos deparamos com um material de muita qualidade que vai encantar os fãs de livros tanto de fantasia como de romance histórico. As descrições são tão vívidas que somos capazes de nos transportar para os lugares” (Paulo Vinicius, do Ficções Humanas) *****

“Que livro é esse?!?! Me apaixonei pela história, que é escrita de forma sensacional. Fiquei chocada com algumas cenas e não sei quando meu psicológico voltará ao norma” (Tricia Mender Ker, Amigo Livro) *****

“Uma batalha digna dos grandes nomes da ficção fantástica” (Carlos Gama, leitor especializado) *****

“Monge Guerreiro é a minha melhor leitura do ano” (Héber Zalewska, autor) *****

“Uma trama intrigante que fascina e prende a atenção do leitor!” (Felipe Duarte, leitor especializado) *****

"Esse talentoso jornalista, uma das grandes revelações da Fantasia Nacional, brindou a literatura fantástica brasileira com uma já clássica obra que está conquistando o país inteiro" (Leonardo Reis, roteirista e autor de "Dragões da Tempestade") *****

"Obra incrível de Romulo Felippe. Por mais livros assim na Fantasia Nacional" (Thiago Ultra, autor de 'Escola de Artes Baltazar) *****

"Uma história densa, que te transporta pela linha tênue entre o sagrado e o profano. Uma leitura instigante e cheia de surpresas" (Basílio Machado, jornalista e professor) *****

“Uma narrativa que prende a atenção já no início e revela um autor super criativo, com um texto gostoso e cheio de surpresas a cada capítulo. Digno de se transformar em um belo filme” (Marta de Souza, jornalista) *****

"Romulo Felippe nos apresenta uma escrita madura, com texto fluído e cheio de detalhes" (André Gama, do blog literário Garotos Perdidos) *****

“Um livro poderoso e inteligente. 'Monge Guerreiro' é uma obra à altura de qualquer nome consagrado, um orgulho para a fantasia lusófona” (Racquel Vicente, autora portuguesa de “O Ressurgir dos Eternos Titãs”) *****

"Cuando un libro te transporta a la época, los personajes, los escenarios, las historias, los conflictos del momento, y te atrapa a seguir descubriendo es porque su autor supo captar la magia de esa historia. Si cuando lees el libro te sentís un Monje Guerrero es gracias a Romulo Felippe" (Sebastian Gimenez, Manager Comunicacionais na Argentina) *****

"Romulo Felippe é um exemplo de excelência na literatura nacional" (Carlos Felipe de Mamam, autor de "Bardíacos - O Início do Fim") *****

“O autor revelou-se talentoso em múltiplos aspectos. A escrita dele é empolgante, o vocabulário rico e algumas cenas foram tão brilhantemente descritas que me fizeram senti-las em primeira mão. Romulo Felippe, um nome a não esquecer.” (Nuno Ferreira, autor português de “A Espada que Sangra”) *****

“Monge Guerreiro, uma leitura que me faz viajar” (Marcelo Fonseca, jornalista) *****

“Depressão pós livro. Depois de um final incrível, escrito com maestria, me despeço com tristeza do monge Bastian Neville” (Ana Luiza dos Anjos, advogada) *****

“Sabe quando você tem necessidade de algo? Pois bem: eu preciso ler o livro Monge Guerreiro" (José Geraldo Mion, jornalista e professor) *****

Monge Guerreiro conquistou o público em pouquíssimo tempo e para a nossa honra o autor é brasileiro. É uma obra completa e forte candidata a dar vida aos personagens nas telas do cinema" (Sarah Camilo, jornalista e professora) *****

"Um dos melhores livros do gênero que li" (Bruno Castilho, jornalista e editor) *****

“Monge Guerreiro é um livro belíssimo” (Cristina Pezel, autora de ‘O Mundo de Quatuorian') *****

“Monge Guerreiro deveria ser elevado ao status de clássico da literatura brasileira. É um livro que irei reler pelo resto da minha vida” (Filipe Azevedo, leitor especializado) *****

“Uma viagem empolgante ao passado medieval. Narrativa ágil e detalhista envolve a leitura do "Monge Guerreiro" num clima eletrizante de aventura e suspense. Difícil parar de ler. Equilíbrio perfeito de ficção e realidade” (Ricardo Panessa, jornalista) *****

“Monge Guerreiro é uma das melhores obras que já vi sobre a Idade Média” (Luiz Moulin, cientista político e historiador) *****

“Sabemos que um livro é fabuloso quando, na leitura, fazemos uma espécie de imersão espiritual no enredo. Nos sentimos parte daquilo tudo, o livro nos absorve e nos envolve de uma maneira mágica. Já me senti assim lendo "Por quem os sinos dobram" do Hemingway. Só mesmo grandes autores, verdadeiros magos das letras, conseguem esta façanha. E o Romulo Felippe me deu este raro prazer com esta obra impressionante” (Mauro Cassane, jornalista e autor de “A Falta”) *****

“Em Monge Guerreiro, Romulo Felippe alia tradição e evolução. Tradição com a descrição dos Templários e evolução com a escrita moderna” (Sérgio Damião, cronista) *****

“Lendo ‘Monge Guerreiro’ sinto-me envolto nos acordes dissonantes de Debussy, mas com muito mais vigor. Escuto o livro, a marcha do exército, o trote dos cavalos, o som das espadas e dos sinos, o silêncio da caverna e sinto até o calor do fogo. Uma obra empolgante e impressionista, que mereceria uma trilha sonora de Debussy ou Ravel” (Orlando Merluzzi, palestrante e autor do livro ‘Pensamento Corporativo’) *****

"O livro tem toda uma roupagem de ficção histórica onde a fantasia é introduzida com uma parcimônia que torna tudo impressionantemente natural. A jornada, os personagens, os povos, os embates; tudo é tão bom que qualquer outra versão se tornaria desinteressante. Homens morrem, mas histórias não. Certamente não uma boa como essa." (Rafael Cordeiro, autor de "Até que a morte nos separe") *****

"Monge Guerreiro é realmente impressionante. Uma obra que une de forma magistral Ficção Histórica e Fantasia Medieval, contando com uma profunda pesquisa e uma dose generosa da criatividade do autor. Para os fãs de ambos os gêneros é uma leitura maravilhosa!" (Danilo Sarcinelli, autor de 'Passagem para a Escuridão') *****

“Surpreenda-se com essa obra magnífica” (Braga Junior, autor de “A Lenda da Torre)” *****

“Uma sensacional jornada épica medieval” (José Carlos da Silva, leitor especializado) *****

“Monge Guerreiro é um livro que nos faz ser não apenas leitores, mas participantes da história pela narrativa criativa e elaborada do escritor Romulo Felippe. Altamente recomendado para todos os que se interessam por ficção e fantasia na Idade Média” (Bruno Garschagen, best-seller da Editora Record com o livro “Pare de Acreditar no Governo”) *****

“Esse sensacional livro é uma jornada de fé. Um livro encantador que precisa ser lido, não por ser de um autor “nacional”, mas porque a boa literatura não tem fronteiras, e essa obra é a prova disso” (Diego Ribeiro, Acervo do Leitor) *****

"Um belo e eletrizante livro de aventura. Uma história principal alimentada magnificamente por histórias paralelas. Já estou comprando a pipoca para quando se tornar um filme. Narrativa ágil, envolvente. Personagens misteriosos e muito bem construídos" (Chico Reis, jornalista de São Paulo) *****

“Segunda leitura concluída. Quero a sequência logo. ‘Monge Guerreiro’ recomendadíssimo” (Nelson Miranda, diretor de teatro) *****

"Simplesmente um livro que se põe na categoria dos melhores dentre os melhores do gênero ficção fantástica” (João Lopes, Armada dos Escritores) *****

“Que tal uma mistura de Bernard Cornwell e George RR Martin? Um dos melhores nacionais que já li. A obra tem traços de ficção histórica e uma pitada de fantasia" (Douglas Nardinho, editor do LiteralMente) *****

“Eu simplesmente amei a leitura de Monge Guerreiro. É uma obra envolvente”” (Yvens Castro, do Saga Literária) *****

“Monge Guerreiro nasce para conquistar um espaço exclusivo” (L. P. Faustini, autor da saga “Maretenebrae”) *****

“Um enredo incrível. Uma história para ser lembrada” (Iramar Junior, leitor especializado) *****

“A obra é a própria personificação do autor” (Jackson Rangel, do portal folhadoes.com.br) *****

“É impossível não se envolver na história e com esses personagens incríveis” (Val Kaline: escritora e resenhista) *****

“Embora ficcional, “Monge Guerreiro” tem alguns acontecimentos inspirados em fatos” (Thiago Sobrinho, repórter de A Gazeta) *****

“O romance tem como fundamento um mistério. Como os dois artefatos sagrados foram transportados a pontos tão longínquos? Quem os levou? Aí entrou a imaginação do escritor, que criou a maioria dos 80 personagens” (Alessandro de Paula, repórter de A Tribuna) *****

“É um relato que, embora ficcional, busca ser fiel aos costumes do ano de 1238” (Ailton Weller, editor de ES de Fato) *****

“São várias jornadas em paralelo, eclodindo em um final épico” (Diário ES Hoje) *****

“Apesar dos elementos fantásticos, Romulo fez questão de amparar todo o seu romance em fatos históricos” (Lucas Schuina, repórter do Aqui Notícias) *****

"Monge Guerreiro conduz o leitor por uma fantástica aventura medieval por vales, montanhas, florestas, cavernas e à tentação de desvendar mistérios de um confronto entre o bem e o mal" (João Geraldo, jornalista e editor) *****

“Depois de George R R Martin... Romulo Felippe! Seu livro é um soco no estômago a cada página. Que chacina! Tem como não adorar?” (Pedro Andrade, autor e leitor especializado) *****

“A riqueza de detalhes e as informações históricas denotam pesquisas profundas a fim de presentear os leitores com uma obra autêntica e muito bem elaborada”. (Jéssica Castello, jornalista e editora) *****

“O livro Monge Guerreiro traz uma história de persistência e esperança. Uma luta implacável contra um monstro interior, que assola o monge, e outra contra uma fera bestial, que, para continuidade do cristianismo, precisa ser derrotada pelo guerreiro templário. A saga proporciona uma leitura empolgante, uma vez que une uma escrita com riqueza de detalhes cenográficos, históricos e de ficção à história cativante” (Marcelo Bózio, jornalista)